FAKETOWN -- um mundo além do arco-íris

Você sabe onde fica FakeTown? Não adianta ter GPS, não adianta procurar no GoogleEarth, não adianta procurar em nenhum Atlas. Ainda assim, pra que você se localize, pense que FakeTown fica à direita de Tlön e à esquerda de Uqbar. E, enfim, sendo um lugar que nunca está, talvez seja um lugar que nunca será.

7.13.2005

C:I:C:L:O..D:E..P:A:L:E:S:T:R:A:S

.
.


“Cultura, Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida”
Prof. Orlando Lopes


Língua e literatura: cultura como mercado de trabalho.21/7. 09:00 // Trabalho como ambiente criativo (ou: Da exclusão cultural do professor de língua e literatura).
21/7. 19:00
// Cultura, Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida : a metodologia DLIS-ECT e o Ponto de Cultura da Associação Salvamar.28/7.10:00.
.
.
Local: Auditório do IC-II (campus de Goiabeiras, Vitória)
.
Realização: DA “Clarice Lispector” e PdC-Salvamar
Apoio: Cultura Viva, PPGL-Letras, Netes, O Balde, Div.Humanidades/Secult-ES, Nacom-UVV
.
.

7.11.2005

FightClube: Discoteca Invisível (Uol X Cultura Viva)

.
.
Bem, amigos da RedeGlobo, estamos de volta para a transmissão de Uol X Cultura Viva, pelo Play Off de Capital Cultural 2005. Esta e todas as nossas outras transmissões de FightClubes são um oferecimento da minha, da sua, da nossa Antropofagia Seguros. Antropofagia Seguros, há mais de setenta anos garantindo a deglutição da Cultura Brasileira.

Bem, Rei Lelé, os times ainda não entraram em campo, então nós precisamos começar a dar aquela esticada básica, afinal o telespectador brasileiro não ag6uenta mais de tanta expectativa e ansiedade. O Nelson Rodrigues -- Nelson, você tá aí quietinho desde que nós entramos no estúdio. O que é que tá havendo, você não está parecendo muito animado com a partida...

-- Ô Corrupião, sinceramente eu acho que o brasileiro não tá preparado pra ser "o maior do mundo" em coisa nenhuma. Ser "o maior do mundo" em qualquer coisa, mesmo em cuspe à distância, implica uma grave, pesada e sufocante responsabilidade.

Nos-sa-Nelson! Mas então hoje você está com a Macaca, hein?

-- Ora, mas e o que é que você quer que eu diga? Está-se deterioriando a bondade brasileira. De quinze em quinze minutos, aumenta o desgaste da nossa delicadeza.

Ai-ai-ai, meu-deus-do-céu... Nelson, Nelson, Nelson, hoje o clima tá pesado mesmo, hein? Felizmente, o mundo, e o Brasil não é só tristeza. Essa delicadeza não desapareceu no brasileiro, fique tranqüilo.... Ela, acho que nós podemos dizer assim, foi muito machucada, e injustamente, né? É só fazer uns descarregos, inverter umas polaridades, e deixar risoflorar aquela boa e velha cara-de-felicidade, como no sol das velhas puxadas de rede, em plena praia do Boião. Tenho quase certeza de que é isso que o Chico Science faria...

Mas bem, passemos a palavra a outro que até agora se manteve calado, quase sorumbático, que é o Fernando Pessoa. E aí, Fernando, qual é a sua expectativa em relação à partida?

-- Beim, Cor'pião... C'reio 'shtaire muito optimista com a partida, afinal de contas sou d'aqueles que ac'reditam que só a Arte é util. Crenças, exércitos, impérios, atitudes - tudo isso passa. Só a arte fica, por isso só a arte vê-se, porque dura.

Ora, ora, ora, mas é muito bom saber que tem mais gente animada para as emoções de Uuuuniversonline e Cul-tu-ura-Viva!!! Falta pouco, falta muito pouco pra começar a transmissão da partida. Cotinue conosco, que nós voltamos já-já.

Globo e você, tanto temos a debater!

[Off.

Mas então, Nelson, que que é mesmo que se tava querendo dizer quando...]

7.10.2005

Concurso de ensaios

.
.
A Faculdade de Ciências Econômicas e Sociais da Universidade Central da Venezuela está promovendo, com fundos da Fundação Rockefeller, um concurso internacional de ensaios cujo tema é "Cultura e Transformações Sociais". Podem participar autores de qualquer nacionalidade e país de residência e serão recebidos trabalhos escritos em espanhol ou português. As inscrições vão até o dia 15 de setembro. Mais informações podem ser obtidas no site www.globalcult.org.ve/concurso.htm
.
.

7.09.2005

JABÁ-DO-BEM "BLOGUE IND´USTRIA TE^XTIL"

.
.

...olha-ê o poema baratinho, olha-ê, olha-ê. Vamo-vê-quem-vai-levá, é somente um real : mantenha um blogue de poemas por apenas um real!!! Poemas de boa qualidade a preço de todo-o-custo! Compre aqui, é três poema-a-um-real! É um real, é um real, é um real! Poemas grandes, poemas curtos, poemas que falam tudo o que você quer saber sobre o bem, e também o quem nem fazia de saber sobre o mal. É um real, é um real, é um real. É o poema baratinho a um real...

...

[Entra o poeta, claudicante:]

Eu vim aqui, pedir sua licença, pra mode recitar umas poesia assim mesmo, nesta sangria fria, neste frio miserável, neste inverno de pura agonia. Eu poderia estar matando, eu poderia estar roubando, eu poderia estar pura e simplesmente delirando, mas como sou quase um moço de família, vim aqui pedir a sua ajuda, para continuar poetando.

Todo dia eu saio de ônibus para ônibus, tentando convencer passageiros a lerem meus poemas. Não peço nada a não ser uma leitura, rápida que seja, no limite da sua paciência. Uma leiturinha só, para que no futuro eu possa dizer aos meus netos que fui lido sim em minha juventude. Uma leiturinha só...

[Silencia o poeta, canequinha na mão esperando tilintares]

Olha-ê o poema a um real! Olha-ê o poema a um real!

Pegue aqui na minha mão, é o poema a um real! Poemas de boa qualidade a preço de todo-o-custo! Compre aqui, é três poema-a-um-real! É um real, é um real, é um real! Poemas grandes, poemas curtos, poemas que falam tudo o que você quer saber sobre o bem, e também o quem nem fazia de saber sobre o mal. É um real, é um real, é um real. É o poema baratinho a um real...
.
.

7.07.2005

FightClube: Discoteca Invisível

Beeemmmm amiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiigos da Rede Globo! Damos início à transmissão de mais um FiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiightClube!!! (FightClube-be-be!!!). Com você, fazendo a narração desta partida, Corrupião Moreno (e - a-hááááá! - eu não disse o Corruptão Moreno...).

O FightClube de hoje será entre a Rádio Uol, o caderno Folha Ilustrada, da Folha de São Paulo e o Programa Cultuuuuuuuuuuuuuuura Viva (Cul tuuuuuuuuuuura viiiiiiiiiiiiiiiiiiiiivaaaaaaa...) .

Você, meu grande amigo da Rede Globo, é claro, vem acompanhando atentamente os desdobramentos do Cultura Viva, não é mesmo? Desde que se iniciou o Campeonato Brasileiro de Interesse Público, esta é a primeira vez que a Cultura tem alguma chance de participar da Série A, não é mesmo, Rei Lelé?

É sim, Corrupião. Pois você veja: o próprio Edson Amante do Renascimento, que você conhece tão bem, apóia e elogia essa loucura. Todo brasileiro maior de um ano e meio de idade deveria se alistar, entende? Porque o Cultura Viva é até melhor que Vita-Say, entende?

Graaaaaaaaande Rei Lelé! É isso, é bonito começar uma partida assim, nesta tarde agradável, nesse friozinho gosto de inverno. Daqui a pouco as equipes entrarão em campo, fazendo aquela festa bonita que o torcedor, que o espectador tanto quer ver na sua telinha.

Nós vamos agora àquele breve comercial, e em dois minutinhos estaremos de volta, com as emoções de Universo Online X Cultura Viva, pela série de partidas do Play Off de Capital Cultural, patrocinado pelo seu, pelo meu, pelo noooosso (é osso!) Barranco do Brasil, o Barranco onde todo brasileiro deveria se encostar!

Globo e você, tanto temos ainda a debater!

Entram os comerciais.

RádioTexto : O desgarrador de sons



Statement:

1. O Fernando Pessoa desgarrou rebanhos, nós desgarramos mídia.

2. Existe muita mídia invisível na internet, como pode fartamente demonstrar, par exemple, a Vitrola Invisível do Selo Instituto (www.seloinstituto.com).



3. Existe um monumental déficit de rádios decentes no Brasil, qualquer que seja o critério que se queira usar para definir "decência". A maior parte dos brasileiros continua sem saber qual é exatamente a música que poderia estar ouvindo.

4. Um guardador de rebanhos midiáticos é um cidadão que resolve fazer aglutinações de mídia a partir de seus próprios interesses, nas mídias que estiverem ao seu alcance; ele localiza os rebanhos e se esforça para selecionar os melhores exemplares de cada plantel; em seguida, busca para eles o melhor valor no mercado cultural, social e monetário; um bom rebanho de mídia, em tese, pode garantir o sustento de toda uma família

5. Ao menos uma vez por ano, todo guardador de rebanhos deve realizar um culto à Musa de sua predileção, seja ela de índole apolínea ou dionisíaca.

Vitrine: O Guardador de Rebanhos


Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr do Sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
É se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.

Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.

Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.

Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.

Não tenho ambições nem desejos
Ser poeta não é uma ambição minha
É a minha maneira de estar sozinho.

E se desejo às vezes
Por imaginar, ser cordeirinho
(Ou ser o rebanho todo
Para andar espalhado por toda a encosta
A ser muita cousa feliz ao mesmo tempo),
É só porque sinto o que escrevo ao pôr do Sol,
Ou quando uma nuvem passa a mão por cima da luz
E corre um silêncio pela erva fora.

Quando me sento a escrever versos
Ou, passeando pelos caminhos ou pelos atalhos,
Escrevo versos num papel que está no meu pensamento,
Sinto um cajado nas mãos
E vejo um recorte de mim
No cimo dum outeiro,
Olhando para o meu rebanho e vendo as minhas ideias,
Ou olhando para as minhas ideias e vendo o meu rebanho,
E sorrindo vagamente como quem não compreende o que se diz
E quer fingir que compreende.

Saúdo todos os que me lerem,
Tirando-lhes o chapéu largo
Quando me vêem à minha porta
Mal a diligência levanta no cimo do outeiro.
Saúdo-os e desejo-lhes sol,
E chuva, quando a chuva é precisa,
E que as suas casas tenham
Ao pé duma janela aberta
Uma cadeira predilecta
Onde se sentem, lendo os meus versos.
E ao lerem os meus versos pensem
Que sou qualquer cousa natural –
Por exemplo, a árvore antiga
À sombra da qual quando crianças
Se sentavam com um baque, cansados de brincar,
E limpavam o suor da testa quente
Com a manga do bibe riscado.



Fernando Pessoa
Alberto Caeiro
08.03.1914

Fonte completa:
http://www.feranet21.com.br/livros/resumos_ordem/o_guardador_de_rebanhos.htm

Mais Fernando Pessoa?